Foto: Arquivo/Agência Brasil

Após muito debate, Base Nacional Comum Curricular (BNCC) é aprovada

O Conselho Nacional de Educação (CNE) aprovou na sesta sexta-feira da semana passada (15/12), a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), documento normativo que estabelece os processos essenciais que os alunos devem desenvolver em cada etapa da educação básica brasileira, assegurando os seus direitos de aprendizagem.

O documento agora segue para homologação do ministro da Educação, Mendonça Filho. Com a norma, o Brasil terá pela primeira vez uma BNCC do ensino fundamental, que servirá de parâmetro para a construção dos currículos pelas escolas e redes de ensino.

“Com isso, o país se alinha aos melhores e mais qualificados sistemas educacionais do mundo, que já se organizam em torno de uma base comum”, destaca o ministro. “Vamos entregar aos brasileiros um texto plural e contemporâneo, que terá papel crucial na melhoria da qualidade e da equidade da educação no Brasil”.

A BNCC foi construída ao longo de mais de três anos, sob a coordenação do Ministério da Educação (MEC) e com a colaboração de milhares de educadores, especialistas e acadêmicos de todas as regiões do Brasil.

Mendonça Filho, Ministro da Educação (Foto: Luiz Fortes/MEC)

Todas as escolas e redes de ensino deverão adaptar e rever os seus currículos em 2018 para iniciar a implementação da base em 2019 e até 2020. Os professores receberão formação para conhecer em profundidade o documento e haverá a adequação necessária do material didático.

Segundo o MEC, os ajustes mais recentes feitos à base apreciada pelo CNE trouxeram avanços expressivos em áreas como tecnologia e língua portuguesa. O documento enfatiza a compreensão e a produção de novas tecnologias digitais de informação e comunicação.

Outro item de destaque foi o aprimoramento da progressão em língua portuguesa, com detalhamento dos objetivos a serem alcançados desde a fase inicial de alfabetização até o fim do ensino fundamental e o aumento gradativo da complexidade das habilidades a serem desenvolvidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *